Latinos dominam prêmios no Festival de Veneza 2015; brasileiro BOI NEON se destaca

Festival de Veneza 2015

Festival de Veneza 2015Pode-se dizer que a América Latina foi a grande vencedora do Festival de Veneza 2015. Realizado mais uma vez no Palácio do Cinema, na cidade de Veneza, na Itália, o festival de cinema mais antigo do mundo terminou no último domingo, dia 12. Os dois únicos títulos latino-americanos da competição oficial levaram dois dos principais prêmios do festival: a coprodução venezuelana e mexicana “Desde Allá”, dirigida por Lorenzo Vigas, ganhou o Leão de Ouro de Melhor Filme, e o argentino Pablo Trapero recebeu o Leão de Prata de Melhor Diretor pelo longa “O Clã”. De quebra, o mexicano Alfonso Cuarón presidiu o júri do festival esse ano – e por isso foi acusado por parte da imprensa de ter favorecido os filmes latinos nas premiações.

Pablo Trapero
o argentino PABLO TRAPERO, Leão de Prata de Melhor Diretor

A equipe de produção de “Desde Allá” retrata muito bem a cooperação cinematográfica latino-americana. Alguns atores são chilenos, parte dos produtores é mexicana e até a montadora é uma brasileira (Isabella Monteiro de Castro). Trata-se do primeiro longa-metragem dirigido pelo venezuelano Vigas, cujo roteiro fala sobre a conturbada relação entre um homem de meia idade homossexual, que vaga por Caracas em busca de jovens amantes, com um garoto pobre que mora nas ruas da capital venezuelana. A imprensa especializada que cobriu o festival contestou bastante o resultado, vaiando o filme de maneira estridente quando da divulgação dos prêmios. Foi a primeira vez que um filme latino-americano venceu o Leão de Ouro na história do festival italiano.

Os EUA tiveram que se contentar com o o grande prêmio do júri (uma espécie de vice-campeão do festival). A honra coube à animação adulta Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson. Já os europeus ficaram com os prêmios de atuação e roteiro. O garoto Abraham Attah, que protagonizou o violento filme produzido pela Netflix, Beasts of No Nation, de Cary Fukunaga, ganhou o prêmio de ator revelação do ano.

Filme brasileiro “Boi Neon” se destaca na mostra paralela

Boi Neon movie posterNa esteira do ótimo desempenho latino-americano na mostra principal, até o Brasil saiu-se bem com um filme na mostra paralela Horizontes. O segundo prêmio mais importante dessa categoria – o Prêmio Especial do Júri – foi para o longa-metragem “Boi Neon”, do pernambucano Gabriel Mascaro, uma co-produção brasileira e uruguaia. O filme traz como protagonista Iremar (Juliano Cazarré), um vaqueiro viril do interior do sertão nordestino, que sonha com uma carreira fashion – ele quer ser costureiro de vestidos de gala. Vinicius de Oliveira, o Josué de “Central do Brasil“, também está no elenco, além de Maeve Jinkings (que faz Galega, uma mulher masculinizada que dirige caminhões e entende de ferramentas).

“Boi Neon” é um filme esteticamente bem diferente do que é tradicionalmente retratado pelo cinema brasileiro ao longo dos anos. A estória é ambientada em um Nordeste rico e contemporâneo, com menos aridez e “cabra-machos”, e muito mais colorido no visual. O longa foi selecionado pela curadora do Festival de Veneza, Violeta Bava, que esteve no Rio de Janeiro em maio passado. Também chamou a atenção de Cameron Bailey, diretor artístico da 40ª edição do TIFF – Festival Internacional de Cinema de Toronto – e por isso o filme entrou na programação da mostra competitiva “Plataforma” do festival canadense desse ano, que ocorre ainda em setembro.

Outra produção brasileira exibida na mostra Horizontes – “Mate-me Por Favor“, de Anita Rocha da Silveira – teve o elenco agraciado com o prêmio Bisatto D’Oro, concedido pela crítica independente italiana. Já o curta-metragem “Tarântula“, de Aly Muritiba e Marja Calafanje, não foi premiado.


 

Leão de OuroFESTIVAL DE VENEZA 2015
lista de vencedores

Leão de Ouro – Melhor Filme:
“Desde Allá” (Venezuela), de Lorenzo Vigas

Leão de Prata – Melhor Diretor:
Pablo Trapero (Argentina), por “O Clã”


Grande Prêmio do Júri
: “Anomalisa” (EUA), de Charlie Kaufman e Duke Johnson

Prêmio Coppa Volpi de Melhor Ator: Fabrice Luchini, por “L’Hermine” (França)

Prêmio Coppa Volpi de Melhor Atriz: Valeria Golino, por “Per Amor Vostro” (Itália / França)

Melhor Roteiro: Christian Vincent, por “L’Hermine” (França)

Prêmio Especial do Juri: “Frenzy”, de Emin Alper (Turquia / França / Qatar)

Prêmio Marcello Mastroianni de Revelação: Abraham Attah, por “Beasts of No Nation” (EUA)

Leão do Futuro – Prémio Melhor Primeira Obra: “The Childhood of a Leader”, de Brady Corbet

 

Mostra paralela Horizontes

Melhor Filme – “Free in Deed”, de Jake Mahaffy (EUA / Nova Zelândia)

Melhor Diretor – Jake Mahaffy (“Free in Deed”)

Melhor Ator – Dominique Lebornein, por “Tempête” (França)

Prêmio do Juri – “Boi Neón”, de Gabriel Mascaro (Brasil)

Melhor Curta-Metragem – “Belladonna”, de Dubravka Turic

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário